quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

ESPERO A CHUVA CAIR :

Na lentidão de um momento,meu corpo transpira feito água quente na chaleira borbulhante de um dia longo, que queima feito brasa.Parece miragem,qualquer água que caia da torneira,do copo transbordado,cheio, e que desce pela garganta afora e anseia por mais , só mais um gole.Estranheza essa água que desce pelas minhas vestes!Parece salgada, desnecessária diante de tudo que almejo e necessito nesse exato momento em que queimo feito chama,em labaredas de um aquecimento, de um desconforto que chega a abalar não só o meu ego , mas também a minha cumplicidade com o conforto, com a calmaria,com o bom senso. PRECISO DE CHUVA...
Vejo-a caindo insistentemente sobre a plantação seca, sobre o gado magro que mal se aguenta em pé, sobre o menino do rio, do ribeirão onde batia seus braços e suas pernas num gesto simultâneo,repetitivo, e sorrindo mergulhava.PRECISO DE CHUVA...para esta velha, de aparência triste e desamparada,maltrapilha acochada ao fogão de lenha,rente a janela de aroeira observa o nada,e chora baixinho, pedindo pra "DEUS"ajudar.ESPERO A CHUVA CAIR...serena,sem cessar, sobre a grama seca do pasto,nos jardins da nossa casa, acompanhada de um vento leve,atinando nossos cabelos, clareando a fundura daquele olhar e mandando a preguiça bater de encontro a outro lugar.E a tão sonhada chuva, almejada principalmente lá no sertão, uma hora há de cair insistentemente também sobre as pessoas,mas sem trombas d'Águas, sem correntezas ou devastações.Apenas cairá feito presente Divino, acalentando, molhando,purificando...nossos corações.
Enquanto isto!!!
                                 ESPERO A CHUVA CAIR.